Olá blog novo!

Oláááááá, mundo novo!

Este é meu primeiro post aqui no meu novo blog (logo logo você verá o antigo) e eu já começo esfaqueando a ortografia do velho e bom português – mas acredito que é uma forma de expressar um pouco do meu estilo.

Meu nome é Henrique, casado, 34 anos de idade, e gostaria de dizer à todos vocês que estão lendo estas linhas que este blog para mim representa um passo a um nível superior ao que eu estava, para mim é uma grande satisfação pessoal e gostaria de compartilhar isto com vocês, por mais que o mundo não pareça tão novo assim.. rs!

Comecei a me dedicar a desenvolver jogos depois de ter ficado desempregado. Um desejo escondido que eu tinha desde pequeno, mas suprimido por acreditar em diversos mitos, que serão abordados posteriormente.

 

Blog é de hoje

Depois de um tempo, reativei um blog que eu tinha no tempo da faculdade (aqui), deletei todas as postagens antigas e comecei a colocar assuntos relacionados ao desenvolvimento de jogos – inclusive se algum colega de faculdade que me acompanhava naquela época estiver lendo estas linhas, lhes peço sinceras desculpas, mas era o recurso que eu tinha disponível.

De lá pra cá, já com mais carga sobre como fluir na arte de blogar, decidi começar num blog assim, no WordPress, com domínio próprio, mais focado, com outra cara, com outro ar..

void Blogando () {
      public bool professional = true;
}

Ou qualquer coisa do gênero. Na prática, pretendo a cada tanto passar a diante todo conhecimento que adquiri na Unity, que é a minha Game Engine, minha “queridinha” como dizem.

Eu não vou ficar te enrolando com um textão aqui na minha primeira postagem. Hoje estou só respirando este ar novo, desfrutando da acústica deste mundo novo no qual me encontro, mesmo que na realidade ele não se pareça tão novo assim, a final de contas, já desenvolvo jogos, apenas estou adicionando o profissionalismo à coisa, a final de contas, porque não juntar a fome com a vontade de comer?

Gostou do que leu até aqui? Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos. Talvez eles queiram saber. Até a próxima!

Aquele abraço,
Henrique